Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

H-orizontes

H-orizontes

14
Abr20

"O Retrato de Dorian Gray" – Oscar Wilde

Helena

retrato.jpg

Dorian Gray é um jovem extraordinariamente belo e inocente, com um passado familiar algo conturbado, que se inicia nas esferas sociais londrinas do século XIX. Basil Hallward é um pintor reservado e bem-educado, que se apaixona por Dorian quando se encontram pela primeira vez e decide pintar-lhe um retrato, a mais bela obra por ele alguma vez concebida. Lord Henry Wotton é um aristocrata com um grande domínio da palavra e de ideais invulgares e algo radicais para a sua época. Henry desperta em Dorian a vaidade e a urgência em preservar a sua mocidade (segundo ele, “a única coisa que vale a pena ter”). Ansiando por contrariar a “brevidade com que ela se desfolha”, Dorian exprime em voz alta o desejo que o domina quando contempla a sua beleza representada no quadro de Basil: “Se fosse eu que ficasse jovem e o retrato que envelhecesse!...”

Para sua surpresa, as suas preces são ouvidas: o quadro não só envelhecerá no seu lugar, como também se revelará um espelho da sua alma, a representação pictórica dos seus pecados, enquanto a sua aparência permanece incólume. Movido pela persuasão perversa de Lord Henry, Dorian envereda por uma vida de delinquência e pecado, sem recear perder a boa reputação que a sua aparência garante junto da sociedade. Mas será que a eterna mocidade suplanta o peso da consciência?

A minha crítica a este livro é sobretudo positiva. Este clássico da autoria de Oscar Wilde parte de um fenómeno insólito para a elaboração de uma reflexão sobre o impacto da beleza no estatuto social, o impacto das influências externas no indivíduo e a dualidade entre o Bem e o Mal. O enredo e o caráter das personagens encerram uma crítica à sociedade oitocentista (à sobrevalorização da aparência, à infidelidade, à degradação moral, etc.).

Pensava que seria um registo literário difícil, mas revelou-se bastante acessível, sendo apenas necessário que se lhe dedique a atenção devida. Só o capítulo XI se revelou mais comprido e enfadonho, uma vez que se refere à evolução do caráter e dos interesses de Dorian ao longo dos anos, numa descrição longa e detalhada. Também as falas de Lord Henry se tornam, por vezes, aborrecidas, pois constituem grandes parágrafos que transmitem ideias ou constroem raciocínios que se podem revelar confusos. Apesar de ser o elemento central da trama, achei que o facto de o retrato se degradar paralelamente à beleza imutável de Dorian é referido demasiadas vezes ao longo da obra, tornando-se repetitivo.

De resto, considero-o um livro original e cativante. Como “cereja no topo do bolo”, o desfecho agradou-me imenso, algo que raramente acontece! É uma leitura altamente recomendável.

"É o espectador, e não a vida, que a arte realmente reflete."

"todo o retrato que é pintado com sentimento é um retrato do artista e não do modelo."

Mais sobre mim

Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Pesquisar

Bem vindo

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.